Será que não Chegou a hora de Internacionalizar o seu Negócio?

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Brasil e ExteriorO pequeno empresário pode se internacionalizar aproveitando o que já conhece por sua experiência no Brasil.

Escrevo este artigo após participar de um evento em Madri com a presença da presidente Dilma, ministros e CEOs de grandes multinacionais, no âmbito da Conferencia Iberoamericana de 2012. Tema predominante e prioritário de discussão? A internacionalização de pequenas e médias empresas. Em particular, como a internacionalização das PMEs europeias pode ajudar países como Espanha e Portugal a sair da atual crise, ao mesmo tempo em que PMEs brasileiras podem se fortalecer e aumentar ainda mais a relevância do Brasil no cenário internacional.



Após quatro anos de profunda crise econômica, a Europa finalmente “despertou” para o fato de que o empreendedor que se globaliza pode ser um importante indutor do emprego e crescimento de que tanto necessitam alguns países. Mas como um empresário no Brasil pode aproveitar este momento?

Resposta curta: mostrando ao mundo que você é brasileiro, está preparado e quer fazer negócios com o mundo. Resposta longa: definindo como você pode alavancar sua presença no Brasil para que seja uma porta de entrada de novos clientes, fornecedores e parceiros globais. Deixe-me tentar explicar meu argumento com um exemplo:

Você possui uma pequena fábrica de cosméticos, tendo como principais clientes salões de beleza na zona leste da cidade de São Paulo. Você conhece cada ponto de venda, precificação por segmento de produto, informações sobre sazonalidade etc. 

Uma pequena empresa espanhola da região de Lleida, na Catalunha (veja na internet onde fica essa cidade!), também dedicada aos cosméticos, mas com um foco em condicionadores para tratamentos especiais de alta qualidade e baixo custo, desenvolvidos em parceria com empresas francesas do setor, tem interesse em expandir suas operações no Brasil, em particular na cidade de São Paulo. 

• Entre as perguntas críticas que a empresa espanhola deve responder, estão: que preço cobrar, que tipo de produto é desejado por clientes numa cidade como São Paulo, como vender para salões de beleza locais, que tipo de embalagem usar etc.

• Não preciso seguir muito com o exemplo para explicar quem possui todas essas respostas, certo?

Mas será que você, dono da pequena fábrica de cosméticos, se preocupa em entender como funciona o mundo dos cosméticos fora da cidade de São Paulo? Seu site está em inglês e espanhol? Você tem noção das tendências dos principais lançamentos do seu setor que ocorreram nas últimas feiras na França, na Espanha e na Alemanha?

É um exemplo. Mas espero ter deixado claro como um pequeno empresário pode (deve?) se internacionalizar aproveitando o que ele já tem de melhor (conhecimento e experiência), no local certo (Brasil) e na hora certa (quando PMEs europeias buscam prioritariamente fazer negócios com o Brasil). Agora substitua a indústria de cosméticos por comida congelada, serviços de topografia, equipamentos para indústria de petróleo e gás etc.

Como sempre reforço nesta coluna, dar os primeiros passos para a internacionalização pode não ser tão complexo, mas exige do empresário um compromisso real com o projeto, investimento e uma capacidade de se organizar para definir estratégias que façam sentido para o seu negocio.

 

Fonte: PEGN