O que é um Histograma?

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Resultado de imagem para gráfico de barra pngSaiba como montar um histograma e tudo sobre essa ferramenta da qualidade.

O que é um histograma, você sabe? Também conhecido como “Diagrama de Dispersão de Frequências”, é uma das ferramentas que compõem a qualidade!

Ele basicamente é uma representação gráfica, em colunas (retângulos), de um conjunto de dados previamente tabulados e divididos em classes uniformes. Você pode me perguntar: “o que significa então a base e a altura desses retângulos? ”.

Pois bem, a base de cada coluna representa uma classe. Assim conseguimos identificar qual é a classe em função de cada retângulo.

A altura dessas colunas representa a quantidade ou a frequência com que o valor dessa classe ocorreu no conjunto de dados. Essa ferramenta fornece um caminho para avaliar a distribuição dos dados e permite verificar o comportamento de um processo em relação a sua especificação.

No título desse artigo, falei que iria mostrar os tipos de histogramas, e são 6 os principais deles. Então agora que você aprendeu o que é um histograma, irei falar sobre eles, suas formas e o que representam. Preparado?

  • Quais são esses 6 tipos de histograma?

1 - Simétrico

Este primeiro tipo também é chamado de “distribuição normal”.

Ele apresenta uma frequência mais alta no centro e vai diminuindo de acordo com aproximação das bordas, tanto a da direita, quanto a da esquerda.

São os processos estáveis e padronizados que são representados por este histograma.

 

2 - Assimétrico

Como se pode ver pela imagem, ele é assimétrico quando apresenta apenas um pico.

Mas o que ele representa? Geralmente mostra uma situação onde possui apenas um limite de especificação e é controlado durante todo o processo.

 

3 - Despenhadeiro

Como o próprio nome já diz, é como se fosse despenhar. Ele parece um barranco.

Ele ocorre quando os dados forem eliminados, com isso, ocasionando um corte na figura, dando uma leve impressão de que o histograma está incompleto.matéria-prima.

 

4 - Dois picos

Como a imagem mostra, se caracteriza por ter duas frequências mais elevadas do que as demais. Ocorre sempre quando há uma mistura de dados diferentes.

Para ficar mais fácil a compreensão: essa mistura se refere à por exemplo, quando são coletados dados obtidos em condições muito diferentes, seja com o operador, equipamento ou matéria-prima.

 

5 - Achatado

Você já pode ter ouvido falar desse tipo de histograma com um nome diferente. Ele também é conhecido como “platô”.

Neste tipo as frequências se apresentam bem próximas uma da outra, em níveis bastante equivalentes. Ocorre isso quando há misturas de distribuições com médias diferentes.

 

6 - Ilha Isolada

 

Chegamos ao último tipo de histograma. Ele deixa bem claro que existem dois processos, ou dois problemas que estão bem isolados em relação a causa.

Existe um espaço entre os histogramas, isso mostra que houve alguma anormalidade decorrente de uma falha.

Passo a passo de como montar um histograma

 

  • 1º PASSO: Determinação da amostra.

A amostra ter que ser a mais aleatória possível, de forma que possa representar a totalidade.

Para que você tenha uma amostra confiável e representativa, você tem que ter de 50 a 100 dados.

 

  • 2º PASSO: cálculo da amplitude

A primeira coisa que você tem que fazer nessa etapa é identificar o maior e o menor valor da amostra.

Com isso, a amplitude (R) é a diferença entre esses valores.

R = maior valor – menor valor

 

  • 3º PASSO: determine o número de classes

É preciso que você escolha o número de classes a serem utilizadas no histograma. O número de classes é proporcional ao tamanho da demanda.

Não tem uma quantidade certa, porém é preciso um meio termo. Ou seja, não pode ser muito pequeno, para não descaracterizar o histograma, e nem muito grande, para espalhar muito os dados.

 

  • 4º PASSO: cálculo de intervalo de classes

Sim, mais cálculo para você fazer.

Mas ele é muito simples:

H = R/K

Mas o que significam essas letras?

H = intervalo de classes;
R = amplitude;
K = número de classes.

 

  • 5º PASSO: cálculo dos extremos das classes

E lá vem mais cálculos.... Para realizar esse cálculo é necessário que você selecione o menor valor da amostra, assim consegue ter o nível inferior da primeira classe.

Agora, para determinar o limite superior (LS) da primeira classe, basta somar o valor do intervalo de classes (H) com o limite inferior (LI):

LS = LI + H

Os outros limites são calculados de acordo com os limites da primeira classe.

 

  • 6º PASSO: montar o histograma

Enfim, chegamos ao final, a hora de montar essa ferramenta. Para isso ocorrer, é preciso que você conte o número de elementos de cada classe, e com isso, ter todos os dados necessários para montar o mesmo.

Boa coleta + bom histograma + análise correta = resultados positivos para empresa

Ao longo desse artigo, você aprendeu o que é um histograma, como montar um e ainda pôde perceber da importância do mesmo para os processos da empresa.

É importante você fazer uma boa coleta de dados, transferi-los para o histograma e fazer uma análise correta dos mesmos, pois se não for assim, não vai adiantar me nada, tudo vai ser em vão.

Enfim, é preciso que se tenha muita atenção ao longo de todo esse processo, para que se tenha um resultado significativos para a empresa.

 

Fonte: Blog Voitto

Últimas Notícias

11 Outubro 2019
11 Outubro 2019


Representante, entre aqui!