Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

6 dicas para manter o pique no trabalho

Para conseguir ser eficiente, não esqueça: tenha uma boa noite de sono e busque apoio de sua equipe.

O segundo semestre já começou. E para a maioria das pessoas (e empreendedores) isso significa um período de muito trabalho, muitos compromissos e, às vezes, alguns transtornos e metas para cumprir. O período exige disposição física e mental que não pode ser desperdiçada, adverte o consultor e empresário Grant Cardone no site da revista Entrepreneur. Ele lembra que “energia duradoura e um bom nível de concentração vêm de dentro e não de alguma bebida cafeinada ou de outros estimulantes externos”.

Seis dicas para manter o pique em tempos de demanda intensa.

1. Uma boa noite de sono. Embora seja uma necessidade básica (sem descanso o corpo e a mente não funcionam), é muito comum sacrificar horas de sono em nome de necessidades supostamente mais urgentes. Embora existam pessoas que dizem se satisfazer com quatro horas de sono, a maioria de nós precisa dormir sete ou oito para se recompor.

2. Escreva seus objetivos duas vezes por dia. Cardone recomenda que isso seja feito ao acordar e antes de dormir. Ele não está falando de lista de afazeres, mas dos grandes objetivos de vida: por que você trabalhar e o que pretende alcançar. “Concentrar-se nesses dois objetivos fundamentais vai ajudar você a alimentar sua paixão e sua energia”, diz.

3. Exercite-se diariamente. Os benefícios não são apenas para sua saúde física. Exercícios trazem mais disposição e nos tornam mais objetivos. Aumentam o autocontrole e a capacidade de comandar. Cardone informa que ele costuma aproveitar o tempo dedicado à atividade física para também pôr a mente para funcionar com algum aprendizado ou busca inspiracional – mas isso é optativo.

4. Vista-se para o sucesso. Boas roupas mudam para melhor o modo como as pessoas veem você e também o modo como você se vê. Indicam que você se sente “orgulhoso, preparado e confiante no sucesso”, diz Cardone. Percebendo seu “esforço em parecer profissional”, as pessoas vão manifestar uma admiração que “pode fornecer o tipo de energia positiva necessária para sustentar você ao longo de um dia desafiador”.

5. Cerque-se de pessoas que lhe dão apoio. Engaje-se em atividades coletivas que tragam prazer (esportivas ou culturais, por exemplo) e mantenha sua família em sintonia com você, comemorando suas conquistas. Isso gera energia e motivação.

6. Decrete uma política de “negatividade zero” no trabalho e em casa. Segundo Cardone, isso não significa banir as informações que possam causar preocupação, mas proibir frases como “é impossível” ou “não dá para fazer”. Coisas assim, diz ele, nada fazem para “energizar e motivar as pessoas a buscar soluções”.

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Passos para abrir o próprio negócio sem largar o emprego.

Tornar-se um empreendedor pode ser bastante difícil. Isso acontece porque abrir o próprio negócio pode ser arriscado, já que é impossível saber se a empreitada vai ser bem-sucedida. Ao mesmo tempo, permanecer no emprego pode parecer uma escolha mais realista. Afinal, apesar de o trabalho não trazer nenhuma fortuna, as probabilidades de uma demissão e da consequente falta de dinheiro são menores.

Segundo o especialista em empreendedorismo Ryan Robinson, em muitos casos é possível empreender sem largar o trabalho. Assim, se a empresa der errado, você ainda terá uma fonte de renda.

É importante ressaltar que alguns negócios exigem atenção exclusiva. É difícil listar quais deles precisam de um gestor em tempo integral. Robinson recomenda que, antes de tentar ter uma "jornada dupla", o empreendedor analise sua situação e veja se é possível conciliar as duas atividades. Se der para ser funcionário de dia e empreendedor à noite (ou vice-versa), siga as dicas do especialista, publicadas originalmente no site da revista "Inc.":

 Pergunte-se se empreender é realmente o que você quer

Ao conciliar trabalho com o próprio negócio, você terá que priorizar as duas atividades, em detrimento da sua vida pessoal. Não adianta se comprometer a enfrentar esse desafio duplo se sua cabeça estiver em outro lugar.

Robinson recomenda que, para tomar uma decisão, você escreva todas as atividades e compromissos da sua agenda semanal em um papel. Feito isso, veja se há alguma atividade mais importante para você que o sonho de empreender. Se houver, talvez seja melhor continuar somente como empregado.

 Domine os conhecimentos necessários

Quem administra uma empresa precisa ter conhecimento em várias áreas. Não é necessário ser um especialista nesses assuntos, mas é preciso ter noção suficiente para você mesmo não ser a razão do eventual fracasso do seu negócio.

Antes de abrir o próprio negócio, aprenda um pouco sobre administração e gestão de pessoas. Não é preciso fazer uma faculdade. Uma mescla de cursos de curta duração já pode ajudar bastante, de acordo com Robinson.

 Valide suas ideias

A inspiração para a abertura de uma empresa normalmente vem de uma ideia. Muitos empreendedores acreditam ter projetos revolucionários nas mãos. Só que, muitas vezes, a ideia em questão é ruim. Antes de abrir uma empresa, valide seu negócio: converse com especialistas em empreendedorismo e com seu público-alvo e veja se as pessoas realmente comprariam o que você criou. Se sim, pode prosseguir. Do contrário, pense em outra coisa.

 Tenha algum diferencial

Para superar a concorrência, você deve ter algum diferencial. Basicamente, você tem duas opções: vender mais barato ou ter um produto melhor. Ao oferecer o mesmo que outras companhias, é mais difícil atrair e fidelizar seus clientes, segundo Robinson.

 "Terceirize" atividades

Você precisa de ajuda em sua empresa por duas razões: você não é um especialista e vai faltar tempo para dar conta de tudo. Por isso, tenha funcionários ou empresas que auxiliem na gestão da empresa. As áreas que serão "terceirizadas" devem ser escolhidas a partir do conhecimento do empreendedor e da quantidade de dinheiro em caixa.

 Procure feedback

Você deve saber o que está indo bem e o que deve ser corrigido na sua empresa. E, para isso, tem que ouvir seu cliente. Deixe um telefone, um endereço de e-mail e as redes sociais à disposição deles. Robinson afirma que todos os contatos devem ser respondidos.

 Divida as coisas

Robinson afirma que empreendedores que ainda têm um emprego não podem resolver assuntos do próprio negócio durante o expediente. Ao não se dedicar ao emprego e empreender no momento errado do dia, são maiores as chances de você ficar desempregado em um momento ruim.

 Saia do trabalho no momento certo

Se você decidiu conciliar emprego e empreendedorismo, supõe-se que sua prioridade é ter o próprio negócio. Espera-se, então, que você peça demissão em um determinado ponto.

Robinson diz que a dedicação exclusiva ao próprio negócio deve acontecer em dois casos: quando o empreendedor tiver confiança suficiente que sua empresa vai dar certo ou quando os ganhos do negócio forem suficientes para ser a única fonte de renda.

A partir da saída do emprego, é a hora de crescer ainda mais. Com dedicação exclusiva, você terá tempo para aperfeiçoar processos e poderá gerenciar melhor sua equipe e torná-la mais produtiva, de acordo com o especialista.

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

 passos para deixar de ser empregado e virar empreendedor.

 

É muito comum ver empreendedores que decidiram criar sua empresa ao ficarem insatisfeitos com o emprego que tinham. São três as etapas para quem quer deixar de ser funcionário e virar patrão. A primeira é pedir demissão. A última, abrir o negócio. O intervalo entre as duas permite que uma transição seja feita.

Em artigo, publicado originalmente no site da revista "Entrepreneur", o empreendedor Sujan Patel listou os passos que, segundo ele, devem ser tomados por quem deseja sair do emprego sem atritos e criar um negócio estruturado. Confira:

Encontre sua paixão

Antes de tudo, descubra os segmentos em que você gostaria de empreender. É importante, diz Patel, que você seja realista: eleja setores em que suas habilidades e pontos fortes podem ajudar você a conquistar o sucesso. Do contrário, você pode se arrepender de ter largado o emprego.

 Não seja tão sonhador

 

Mais uma dose de realismo. Você deve desenvolver um produto ou serviço que chame a atenção das pessoas. Lembre-se: sem clientes, não há como obter receitas. E, consequentemente, seu negócio irá à falência.

 Valide sua ideia

Além do seu realismo, você precisa descobrir se, realmente, sua ideia é viável. Para isso, você precisa validar seu negócio, conversando com seu público-alvo. Nessa pesquisa de campo, é bem possível que uma parte do seu projeto mude, pois o que você pensou pode ser diferente da opinião dos clientes. Sem problemas: ajuste o que for necessário e siga para o próximo passo.

 

 Desenvolva seus planos de negócio e de marketing

Agora que você sabe o que vender, é hora de descobrir como vender. Desenvolva um plano de negócio, que deverá mostrar um planejamento para a sua empresa no médio prazo. Nele, você tem que mostrar como você quer ganhar dinheiro. Ou seja, se vai apostar em vendas diretas, pagamentos mensais ou receitas vindas de anúncios, dentre muitas outras formas de monetização. De acordo com Patel, também vale pensar em uma estratégia de marketing. Planeje quanto você pode gastar e que canais de comunicação usará para atingir seus clientes.

Tenha dinheiro

Você precisa de algum dinheiro para abrir seu negócio, bem como de capital de giro, que é a grana que você vai usar para pagar as contas da empresa enquanto ela ainda não gera faturamento. O dinheiro, afirma Patel, não precisa ser seu. Você pode buscar um investidor, por exemplo.

Comece devagar

Segundo o especialista, caso sua empresa não exija atenção exclusiva, não há problema em começar seu negócio enquanto ainda trabalha como empregado. Só é importante não arriscar tudo. Comece devagar, com uma equipe enxuta e sem gastar todo o seu dinheiro. Vá recebendo o feedback dos seus primeiros clientes e veja se a empresa tem chances de decolar.

 Construa uma equipe

Se você não vai se dedicar em tempo integral à sua empresa, deve ter alguém de confiança a postos para resolver os problemas que surjam em sua ausência. Dependendo da sua experiência, também vale contratar especialistas em áreas como finanças, atendimento ao cliente e marketing. Tais adições à equipe, naturalmente, vão depender da quantidade de dinheiro que você tem.

 Veja se vale a pena sair. E saia

Ao abrir sua empresa, veja se tudo está dando certo. Caso não esteja, desista. Segundo Patel, falhar é algo bastante comum e faz com que o empreendedor cometa menos erros no futuro. Se tudo estiver bem e você já puder viver da sua empresa, peça demissão. A partir daí, foque no seu negócio em tempo integral.

 

 Escale

Agora que você se dedica exclusivamente ao negócio, é hora de crescer. Coloque em prática seu plano de negócio e multiplique seus ganhos. De acordo com Patel, é muito importante valorizar a equipe. Afinal, foram eles que "seguraram a barra" enquanto você se dividia entre o emprego e o próprio negócio. Lembre-se que, sem um time motivado e engajado, você não vai longe.